História da fundação da Igreja particular de Niterói

Arquidiocese de Niterói

País Brasil
Dioceses Sufragâneas Campos, Nova Friburgo, Petrópolis e Adm. Apostólica São João Maria Vianey
Área 4,453 km²
Criação da Diocese 27 de abril de 1892

A Arquidiocese de Niterói (Archidioecesis Nictheroyensis) é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica, no Estado do Rio de Janeiro. Pertence ao Conselho Episcopal Regional Leste I da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, e a sede arquiepiscopal encontra-se na cidade de Niterói. Atualmente, o governo arquidiocesano está sob a responsabilidade do Arcebispo Dom José Francisco Rezende Dias.

A Diocese de Niterói foi erigida pelo Papa Leão XIII, a 27 de abril de 1892, através da Bula Ad universas orbis Ecclesias, a cuja jurisdição se subordinava o Estado do Espírito Santo. A Diocese do Espírito Santo seria criada pelo citado Papa, a 15 de novembro de 1895, pela bula Sanctissimo Domino Nostro, desmembrada da Diocese de Niterói, sendo seu Administrador Apostólico (de 1895 a 1897) o 1º Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, D. João Esberard.

A razão de não ter sido Administrador Apostólico o 1º Bispo de Niterói, D. Francisco do Rego Maia, foi o fato de a sede de Niterói ter sido transferida, a 6 de junho de 1895, para a cidade de Campos, “pro tempore”. D. Francisco tomou posse a 2 de julho, na Igreja de São Francisco da Penitência, constituída Catedral, em virtude de decreto de Leão XIII , permanecendo, todavia, com o nome de Diocese de Niterói. Em consequência da Revolta da Armada, no tempo de Floriano, já havia D. Rego Maia fixado residência em Nova Friburgo, onde permaneceu durante um ano e três meses.

A 16 de julho de 1897, Leão XIII, desmembrando Petrópolis da Arquidiocese do Rio de Janeiro, para lá transferiu a nova sede do bispado do então Estado do Rio de Janeiro, tendo o referido D. Francisco do Rego Maia aí tomado posse, a 12 de setembro do referido ano.

Note-se que o Governo do Estado, dada a grave situação, com a cidade bombardeada, já havia transferido a Capital do Estado (Niterói), provisoriamente, para Petrópolis, em 1894, e pela Lei nº 89, de 1º de outubro do mesmo ano, a permanência foi dada como definitiva. Para sede do Executivo, foi adquirido o Palácio Rio Negro, que depois passaria para a União.

As finanças do Estado estavam muito abaladas. Quintino Bocaiúva afirmava ter recebido uma verdadeira “massa falida”, e não um Estado para governar. Todavia, o povo anelava por fazer regressar a sede do governo para Niterói, o que se deu, ainda no governo Bocaiúva. Seu sucessor, o senador Nilo Peçanha, adquiriu para sede do governo o Palácio do Ingá.

Dom Francisco do Rego Maia continuou, entretanto, a residir em Petrópolis, pois a sede episcopal só voltaria para Niterói a 25 de fevereiro de 1908, por Decreto do Papa Pio X. A Diocese de Niterói foi elevada a Arquidiocese e sede metropolitana, pelo Papa João XXIII, a 26 de março de 1960, graças à Bula Quandoquidem verbis, e seu 1º Arcebispo foi D. Antônio de Almeida Moraes Júnior.

O titular da igreja Catedral e Padroeiro da Arquidiocese é São João Batista, e Nª Srª Auxiliadora Padroeira, “aeque principalis “.

Confira a lista de Arcebispos e Bispos auxiliares

Nome Início Fim
Arcebispos
Dom José Francisco Rezende Dias 2011
Dom Alano Maria Pena, OP 2003 2011
Dom Carlos Alberto Etchandy Gimeno Navarro 1990 2003
Dom José Gonçalves Costa CSsR 1979 1990
Dom Antônio de Almeida Moraes Júnior 1960 1979
Bispos diocesanos
Dom Carlos Gouveia Coelho 1954 1960
Dom João da Matha de Andrade Amaral 1948 1954
Dom José Pereira Alves 1928 1947
Dom Agostinho Francisco Benassi 1908 1927
Dom João Francisco Braga 1902 1907
Dom Francisco do Rego Maia 1893 1901
Bispos auxiliares
 4° Dom Luiz Antônio Lopes Ricci 2017
 3° Dom Roberto Francisco Ferrería Paz 2008 2011
 2° Dom Paulo Lopes de Faria 1980 1983
 1° Dom José de Almeida Batista Pereira 1953 1955