16
ABR
2018

Bispos relatam desafios do Oiapoque ao Chuí do Brasil

A experiência das Igrejas locais em regiões extremas do Brasil’ foi partilhada nesta segunda-feira (16) pelo bispo de Macapá (AP)Dom Pedro José Conti e pelo bispo de Rio Grande (RS), Dom Ricardo Hoepers com jornalistas durante a 56ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Os prelados falaram sobre os desafios de ser Igreja nestas realidades extremas e particulares do país, como o Oiapoque, no extremo norte, e o Chuí, no extremo Sul.

Oiapoque

Dom Pedro José Conti ressaltou os desafios sobre as grandes distâncias, as dificuldades de transporte e de comunicação em virtude da extensão territorial e amplitude da fronteira.

A cidade de Oiapoque é a única fronteira brasileira com um território europeu ultramarino, a Guiana Francesa. Essa região e sua condição de fronteira se depara com desafios como a invisibilidade social e o isolamento territorial.

Oiapoque fica a 600 quilômetros de Macapá, capital do estado. Parte da estrada ainda não é asfaltada, o que dificulta ainda mais o acesso terrestre à cidade, cercada por águas e florestas, afirmou Dom Pedro José Conti.

O bispo de Macapá citou ainda situação da Ponte Binacional Franco-Brasileira que vai liga por via terrestre o Brasil e a União Europeia a partir da divisa entre o Amapá e a Guiana Francesa. Dom Pedro explicou que entre os empecilhos para o uso da ponte estão as barreiras físicas e econômicas.

Garimpos clandestinos, tráfico de pessoas, tráfico de drogas e a falta de religiososdedicados a missão nessa área também são desafios presentes na região.

Chuí

O bispo de Rio Grande (RS), Dom Ricardo Hoepers trouxe os desafios do Chuí, extremo sul do Brasil. O Chuí é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. É a cidade mais meridional do país, fazendo fronteira com a cidade do Chuy, no Uruguai.

Uma Igreja vazia e mais uma vez a escassez de religiosos estão entre os pontos citados pelo bispo. Dom Ricardo citou uma pesquisa de 2010 onde foi identificado que 54% da população se declara sem religião. O percentual é preocupante para a Igreja local, visto que em todo território brasileiro essa taxa é de 8%.

“A região concentra um número expressivo de árabes palestinos, espíritas e evangélicos. Nesse cenário temos um grande desafio de evangelização, já que os cristãos representam apenas 30% da população”, afirmou.

O esforço da diocese é de ir ao encontro dos nossos católicos tendo uma presença mais efetiva entre os cristãos.

Dom Ricardo Hoepers ainda falou sobre a liberação da maconha no Uruguai, o que também causa um problema social com dependentes químicos. O país é o único no mundo a legalizar a produção, comercialização e distribuição da droga.

Segundo o bispo a resposta da diocese foi pedir aos prefeitos das cidades no Brasil e Uruguai a instalação de uma Casa de Dependentes químicos.

Deixe um comentário

*

captcha *