07
DEZ
2018

Basílica Nossa Senhora Auxiliadora celebra seu centenário

Tombada em 1992 pela Prefeitura Municipal devido a sua importância arquitetônica e seu valor para a memória da cidade

A Basílica de Nossa Senhora da Auxiliadora, em Santa Rosa, é um destino obrigatório para os amantes da arquitetura sacra. Inaugurada em 24 de dezembro de 1918, a Basílica passou por uma grande reforma, desde agosto de 2016, para celebração do centenário. Sua arquitetura combina elementos góticos e mouriscos e, em seu interior, está um dos maiores órgãos do mundo, com cinco teclados e 11.130 tubos, divididos entre a parte da frente e as laterais do templo. O instrumento foi montado em abril de 1956, pela fábrica italiana Tamburinie e o primeiro concerto teve como protagonista o maestro alemão Fernando Germani, organista oficial do Vaticano na época.

A chegada dos salesianos a Niterói ocorreu em 1883, quando fundaram o colégio e edificaram uma modesta capela de pedra, em 1884, construída pelo padre Miguel Borguino. Uma nova igreja, projetada pelo engenheiro padre Domingos Delpiano, irmão salesiano, veio substituir a antiga capela. O engenheiro projetou além da Basílica, inúmeras igrejas no Uruguai, em São Paulo e outras cidades do Brasil. Sua pedra fundamental foi lançada no dia 24 de dezembro de 1901 e, em 24 de dezembro de 1918, com a construção ainda em andamento, a igreja começou a funcionar. O Papa Pio XII, no dia 12 de setembro de 1950, elevou a Paróquia à condição de Basílica.

Considerando sua importância arquitetônica e seu valor para a memória da cidade, a Prefeitura Municipal tombou a Basílica, o órgão e o monumento, através do decreto n°. 6537, em 30 de dezembro de 1992.

A Basílica, situada na rua Santa Rosa, 216, Santa Rosa, Niterói, está comemorando o Centenário com celebrações das Santas Missas. A festa foi iniciada no último domingo, dia 2 de dezembro e segue até o próximo sábado, 8 de dezembro. Neste dia, o Arcebispo metropolitano de Niterói, Dom José Francisco, presidirá uma Santa Celebração às 10h, na qual, fará a dedicação do novo Altar. A Santa Missa também será pelos 100 anos da Basílica.

Programação pelos 100 anos

SEXTA-FEIRA – 07/12/2018

– Santa Missa às 19h com bênção do novo Ambão

SÁBADO – 08/12/2018

– Santa Missa pelo centenário às 10h, presidida pelo Arcebispo de Niterói, Dom José Francisco, com dedicação do novo Altar.


Características Arquitetônicas da Basílica Nossa Senhora Auxiliadora

A arquitetura imponente da igreja é marcada pela verticalidade de sua volumetria, mesclando aberturas em estilo neogótico, arcos em estilo mourisco e colunas clássicas. Uma escada em cantaria faz o acesso principal. A portada, também em cantaria, contém a imagem de Nossa Senhora Auxiliadora. Na fachada principal, o campanário único e central, com quatro sinos acionados eletronicamente, marca o eixo de simetria. Nas fachadas laterais se repetem os mesmos elementos decorativos, onde se destacam as janelas com vitrais.

A planta da basílica tem a forma de cruz latina, formada pela nave, pela capela-mor e pelas duas capelas laterais. O transepto é coroado por uma cúpula, construída posteriormente, o que contribuiu para que a igreja fosse elevada à condição de basílica pelo Papa Pio XII.No interior, o altar-mor é um trabalho do engenheiro-padre salesiano Paulo Consolini que, embora inaugurado provisoriamente no cinqüentenário do Colégio, acabou por permanecer até hoje. Na nave se distribuem mais de oito altares de cada lado, encimados por dupla de vitrais.

O grande destaque da Basílica Nossa Senhora Auxiliadora fica por conta do magnífico órgão – o maior da América Latina e o quinto do mundo. Foi idealizado pelo padre Virginio Fistarol e construído na cidade de Cremona, Itália. Possui 11.130 tubos, com cinco teclados manuais e um pedaleiro de 32 notas e 134 registros. Sua inauguração, que se deu em 15 de abril de 1956, contou com a presença de um dos maiores organistas, o maestro Ângelo Germani, primeiro organista da Basílica de São Pedro, no Vaticano. O Grande Órgão está localizado no coro, o Órgão Eco e o Órgão Coral ladeiam o altar-mor.

Considerando sua a importância arquitetônica e seu valor para a memória da cidade, a Prefeitura Municipal tombou a Basílica, o órgão e o monumento, através do decreto n°. 6537, em 30 de dezembro de 1992. Juntamente com a Basílica, foram tombados o órgão e o monumento erguido no Morro do Atalaia, em 1890, em homenagem à padroeira.

Por João Dias com informações das redes Sociais da Basílica e Prefeitura Municipal de Niterói
Foto: Arquivo

TEXTO: Características Arquitetônicas da Basílica Nossa Senhora Auxiliadora, retirado do livro “Niterói Patrimônio Cultural”, editado pela Niterói Livros em 2000

Deixe um comentário

*

captcha *