02
JAN
2019

“A boa política está a serviço da Paz, respeita e promove os direitos humanos”

O Bispo Auxiliar de Niterói, Dom Luiz Antonio Lopes Ricci, presidiu a celebração do dia 31 de dezembro de 2018, véspera do Ano Novo, na Catedral de São João Batista. Em comunhão com toda a Igreja e com as pessoas de boa vontade, a Arquidiocese de Niterói celebra o 52º Dia Mundial da Paz, na solenidade de Maria, Mãe de Deus.

A Santa Celebração teve como concelebrantes, Dom Frei Alano, Arcebispo Emérito de Niterói, os Padres Wallace, Juvaldes e André, e os diáconos Renato e Murilo.

Em sua homilia Dom Luiz Ricci disse: “… a palavra dessa noite deve ser gratidão. Como Maria, nós certamente podemos cantar “o senhor fez em nós maravilhas, e santo é o seu nome”. Olhando para trás, por pior que tenha sido o ano, para as pessoas que nos acompanham, que estão aqui, certamente os fatos positivos foram, infinitamente, maiores que os negativos. Por isso, estamos aqui, para agradecer. Às vezes temos a tendência de permitir que um fato negativo encubra, esconda tudo aquilo de bom que aconteceu durante o ano. Só pelo fato de estarmos vivos, já temos muito que agradecer, e é lógico, que na ótica da fé, por mais difícil que tenha sido ano, o balanço, o saldo é sempre positivo. Perseveramos, estamos aqui para agradecer, para louvar, para pedir as bênçãos para o próximo ano, para renovar os nossos propósitos de vida nova e de conversão. Então, que possamos hoje, amanhã e sempre, agradecer a Deus, que fez em nós maravilhas e quer fazer, por meio de nós, maravilhas. É o que nós chamamos também a teologia da história. Olhando para nossa história, olhando para a história da humanidade, a gente consegue identificar, na ótica da fé, as pegadas de Deus em nossa vida. Os pastores viram e acreditaram, disse o evangelho: viram e ouviram. Nós precisamos estar atentos…”

Cita ainda a mensagem enviada pelo Papa Francisco: “Papa Francisco escreveu uma mensagem para esse dia mundial da Paz. Ele sempre escreve, e a mensagem deste ano não é só para o Brasil, é para o mundo todo. Olha o tema da mensagem: a boa política está a serviço da Paz. E diz o Papa, iniciando a sua mensagem: a paz esteja nesta casa, nós devemos ser habitação da Paz, oferecer a paz está no coração da missão dos discípulos de Cristo, e esta oferta é feita a todos os homens e mulheres que, no meio dos dramas e violência da história humana, esperam na paz. A casa de que fala Jesus é cada família, cada comunidade, cada país, cada continente, na sua singularidade e história. Antes de mais nada é cada pessoa, sem distinção nem discriminação alguma, e é também a nossa casa comum, o planeta onde Deus nos colocou a morar, e do qual somos chamados a cuidar com solicitude. Então o Papa deseja a todos nós a paz essa paz interior que ninguém pode tirar de nós. Eis pois, os meus votos, diz o Papa, no início do novo ano. A paz esteja nesta casa. E continua o Papa, ao falar sobre os 70 anos da declaração universal dos direitos humanos: recordemos a observação do Papa São João XXIII, quando numa pessoa surge a consciência dos próprios direitos, nela nascerá, forçosamente, a consciência do dever. No titular dos direitos, o dever, de reclamar esses direitos, como expressão da sua dignidade; nos demais, o dever de reconhecer e respeitar tais direitos. E continua o Papa, na sua mensagem para o dia de hoje: a boa política a serviço da paz. Se a paz é filha da justiça, como dizemos, é a política que constrói a sociedade justa, se for implementada no respeito fundamental pela vida à Liberdade, à dignidade das pessoas. A política pode tornar-se verdadeiramente uma forma iminente de caridade. De uma coisa, temos a certeza: a boa política está a serviço da Paz, respeita e promove os direitos humanos fundamentais, que são, igualmente deveres recíprocos. Com efeito, a paz é fruto de um grande projeto político, que se baseia na responsabilidade mútua e na interdependência dos seres humanos. Nesse ponto, somos todos construtores da Paz. Hoje é dia de rezar pela paz, é dia de colocar a roupa branca, mas é dia de pedir ao Senhor que sejamos de fato, instrumentos de paz.

“… precisamos reaprender com Maria, a guardar no coração e esperar o tempo de Deus, antes de reagir, pensar e meditar. Por isso, queremos que o próximo ano seja mais humano, sem nenhum tipo de violência… são tantas as formas de violência hoje, e Maria, no evangelho de ontem e de hoje, nos ensina a guardar e a meditar no coração aquilo que de fato Deus quer que a gente compreenda. Guardar e meditar, discernir, esperar a resposta de Deus, para querer o que Deus quer, é sempre bom. Queridos irmãos e irmãs, desconfiar de respostas prontas e imediatas, desconfiar, porque tudo é construído pelo discernimento, pela oração, pela escuta da palavra de Deus. Fora isso, a gente cai na precipitação, e a precipitação pode causar danos para nós e para os outros, e aí vem a pergunta que eu coloco para vocês e para mim: o que guardamos em nosso coração hoje, para começar esse novo ano; o que é bom tem que permanecer e o que não é bom, tem que ser retirado. O que guardamos em nosso coração, que é lugar do amor, o que não é amor não deve estar no coração. Por exemplo, mágoas, traumas, ressentimentos, ódio… é hora de perdoar, queridos irmãos e irmãs, é hora de se libertar, é hora de fechar as feridas e reaprender a conviver com as cicatrizes, com as diferenças. O Papa tem insistido muito também, e nesse tempo, não vamos permitir que nada ocupe o lugar do amor em nosso coração”, concluiu Dom Luiz.

Confira a íntegra da homília:


Ao final da celebração, o Padre André, vigário da Catedral, entoou o hino “Te Deum. Após o hino, o pároco da Catedral, Padre Wallace, agradeceu a presença do Bispo Auxiliar, Dom Luiz Antônio.

Dom Luiz Antônio, Bispo Auxiliar, agradeceu ao padre André, que cantou o hino “Te Deum”, e explicou: “o Te Deum é a tradição da igreja, é indulgência plenária também, para quem participa desse momento de Ação de Graças: “A ti ó Deus, o nosso louvor”, é assim, a gente termina o ano louvando a Deus, agradecendo por tudo e por tanto. Obrigado Padre André, obrigado Padre Wallace, e só para lembrar dos discípulos de Emaús que pediram para Jesus, fica conosco, pois já é tarde e à noite vem chegando, podemos pedir: fica conosco senhor, pois é tarde, e um novo ano vem chegando. Feliz e abençoado ano novo e agora a bênção final do senhor.” Concluiu, abençoando todos os que participavam, na catedral, ou através dos meios de comunicação da Arquidiocese.

Veja a íntegra da Santa Celebração:

 

Por João Dias
Foto: Reprodução do YouTube da Arquidiocese

Deixe um comentário

*

captcha *